6 dicas para alugar o melhor imóvel comercial

6 dicas para alugar o melhor imóvel comercial

Saiba como avaliar e decidir pela melhor opção para a sua empresa.

Um dos primeiros pontos que precisam ser observados na hora de montar um novo empreendimento é a escolha de um bom ponto comercial. Para fazer uma boa escolha, deve-se observar a estrutura do imóvel, o tamanho dos cômodos, a fachada, entre outros fatores que farão toda a diferença para que o seu comércio funcione perfeitamente. Tudo isso deve ser pesado na hora de definir a localização do imóvel.

Outro ponto importante e muitas vezes negligenciado pelos empresários é o de conversar com comerciantes da região, para saber sobre os concorrentes. É preciso fazer uma avaliação detalhada dos vizinhos antes de iniciar um novo empreendimento.

Depois de escolher o imóvel e negociar com o responsável pelo aluguel do espaço, é necessário fazer o pedido de emissão de alvará pela prefeitura para aquele local. Se a prefeitura não emitir o alvará, não adianta nem insistir em abrir um ponto comercial por lá. Por isso, verifique este último ponto antes de fechar negócio.

O contrato também é algo que merece atenção: o comerciante pode optar por contratar um período de aluguel mais seguro, como o de 60 meses, por exemplo. Daí, com o crescimento de seu negócio e a boa gestão, é possível rever o contrato quando estiver quase no fim. Nos últimos 6 meses, por exemplo, é possível buscar um advogado para solicitar uma ação renovatória de contrato a ser combinada com o dono do imóvel, e depois de verificar o interesse dele nesse novo contrato de aluguel.

Pensando nestes e em outros pontos, formulamos uma lista de dicas para você fazer a escolha do seu imóvel comercial de forma mais consciente. Confira:

1. Estacionamento

Você lembrou de verificar se existem vagas de estacionamento no imóvel? Se não, existe a necessidade de um espaço para um estacionamento? Isso vai fazer diferença para seus clientes? Por exemplo, se a rua possui poucas vagas, é uma boa ideia investir na construção de um estacionamento próprio, seja na frente do ponto comercial ou em um terreno ao lado. Estude bem a necessidade desse estacionamento e verifique seu orçamento para um investimento do tipo. Fique atento pois em algumas cidades a prefeitura só emite o alvará se existir um percentual de vagas de estacionamento no imóvel.

2. Estado de conservação

Visitar os imóveis que você selecionou online ou na imobiliária é algo extremamente importante para avaliar o estado de conservação da estrutura, das paredes, pisos, portas, janelas, instalações elétricas e hidráulicas, entre outros. Se preferir, pode levar um profissional de sua confiança para verificar pontos mais específicos.

Não esqueça de verificar também o tamanho do imóvel. Apesar de parecer óbvia, é uma observação que muitas vezes é um pouco negligenciada. Isso porque a dimensão do local precisa suportar toda a infraestrutura da empresa, incluindo maquinário e mão de obra, o que significa que o espaço deve ser suficiente para não comprometer o funcionamento da organização.

3. Alvará

Depois de negociar o contrato com o proprietário – que pode inclusive ter sua data de início estendida – você precisa ir até a prefeitura de sua cidade com o número do IPTU em mãos para registrar os parâmetros do imóvel com base na região em que está localizado. Também é importante levar o código do seu estabelecimento, de acordo com o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas).

Esses pontos mais burocráticos precisam ser endereçados para a liberação do alvará para sua empresa. Sem ele, você não terá permissão para trabalhar, mesmo que tudo esteja pronto para começar.

Atente-se: as regras para localização do negócio mudam cidade a cidade. Não esqueça de conferir o Plano Diretor e o Código de Posturas do Município, além do Zoneamento, que estabelece o tipo de imóvel, de comércio e de serviços que podem ser realizados em cada região. É extremamente importante, inclusive, verificar esses pontos antes de alugar o imóvel.

4. Repasse de ponto

Um imóvel que nunca foi comercial, necessariamente apresentará maiores gastos com adequação do espaço, liberação do alvará, reformas estratégicas, entre outros pontos. No entanto, esses gastos podem ser bem pequenos se comparados com um ponto comercial “pronto”. Isso porque se esse ponto comercial estiver “queimado” (com má fama), ficará bem complicado reativar o ponto. Para fazer isso, acaba sendo necessário um grande investimento em marketing e na comunicação de que o novo ponto pertence a um novo proprietário e que o atendimento agora mudou.

Verifique se o ponto é tão bom que valerá a pena investir tanto para a reformulação de sua imagem.

5. Sala de reuniões

Sua empresa precisa de uma sala de reunião? Essa é a primeira pergunta que você precisa fazer quando estiver escolhendo seu ponto comercial. Se a resposta for não ou com clientes muito específicos, talvez seja mais prático e mais econômico locar um espaço em um coworking de sua cidade.

6. Fiador

O fiador é um ponto importante para qualquer contrato de aluguel, seja para um ponto comercial ou para um imóvel residencial. Por isso, é bastante importante se atentar às regras específicas do contrato sobre o fiador.

• O fiador pode ser tanto pessoa física quanto pessoa jurídica?
• Existe alguma restrição sobre quem não pode ser fiador?
• Qual é a renda mínima exigida para ser um fiador?
• É possível ter apenas um ou mais fiadores?
• Há formas alternativas de trabalhar com a fiança? Seguro-fiança ou título de capitalização, por exemplo.

Essas perguntas são básicas e servem como um guia inicial de dúvidas que precisam ser questionadas na hora de fechar seu contrato e definir o fiador ou fiadores. Não fique com vergonha de tirar suas dúvidas sobre o assunto, já que esse ponto é um dos mais importantes de qualquer contrato de aluguel e faz toda a diferença quando necessário.

cta-credipago

 

Fontes:
• Novonegocio.com.br
• Gazetadopovo.com.br

 

Um comentário

Deixe uma resposta