Independência: quando sair da casa dos pais?

Descubra se esse é o momento ideal para escolher um apartamento ou casa e conquistar sua liberdade.

A casa dos nossos pais normalmente possui aquelas mágicas curiosas: a louça sempre lavadinha e guardada, uma geladeira cheia de coisas gostosas, casa limpa e roupas que saem do cesto e, de um dia para o outro, estão de volta à gaveta. Mas chega um momento que a privacidade, a independência e liberdade falam mais alto.

Sair da casa dos pais está nos objetivos da maior parte dos jovens, em especial aqueles que já passaram dos 21. Seja morar em uma república estudantil, em um apê alugado com os amigos ou em um apartamento próprio, essa é a meta de muitos jovens que acreditam que só serão realmente livres e independentes quando não estiverem morando mais com os pais.

É bom lembrar, no entanto, que para que isso se torne realidade e deixe de ser apenas um sonho adolescente, são necessários planejamento e atitude para colocar em prática tudo o que é preciso para chegar ao objetivo de morar sem os pais. É preciso estratégia e preparo para viver com um novo padrão de vida para não transformar o sonho em pesadelo.

E quais sinais mostram que está mais do que na hora de sair da casa dos pais e começar a vida adulta? Aqui vão alguns deles:

1. Você e seus pais discutem o tempo todo.
2. Seus horários não combinam.
3. Você não tem sua privacidade respeitada.
4. Você tem o mínimo de condição financeira para bancar um aluguel.
5. Você está num relacionamento sério e quer casar.
6. Seu quarto está ficando pequeno demais para você.
7. Você tem vontade de reunir seus amigos em casa, mas não pode.
8. As regras da casa dos seus pais não combinam com seu estilo de vida.
9. As manias e costumes deles passam a irritar cada dia mais.
10. Não dá mais para depender do dinheiro dos seus pais.

Provavelmente você se identificou com todos os sinais, certo? Pois é, passou da hora de sair da casa deles e procurar a sua.

Mas não se precipite. Leve como base os 5 passos abaixo e evite problemas.

1. Decida onde e como quer morar

O primeiro passo é decidir onde vai morar e como:
• Alugar um apartamento ou casa?
• Morar em uma república de estudantes?
• Alugar um quarto?
• Dividir um dormitório?

O mais importante, logicamente, é decidir por um tipo de moradia que você realmente seja capaz de pagar, para evitar um aperto financeiro. Não esqueça de escolher um imóvel que seja próximo à faculdade e ao trabalho, o que facilita na economia com despesas de transporte.

2. Crie um cronograma

É uma boa ideia ter um cronograma com datas bem definidas para chegar ao seu objetivo de se mudar para um novo lar. Isso cria a necessidade de uma meta bem definida, com planos e estratégias executáveis. Faça os cálculos de quanto tempo vai levar até ajeitar as coisas e estar em condições de mudar, ou seja, quanto de recursos você vai precisar para fazer sua mudança toda.

Com isso, você terá uma previsão realista sobre quando provavelmente conseguirá se mudar. Essa estratégia de firmar um compromisso e estabelecer um cronograma vai te dar mais ânimo para chegar até o fim. Mas lembre-se, divida o cronograma em etapas acionáveis e leve o plano extremamente a sério.

3. Organize sua vida financeira

Este é um ponto obrigatório: deixar as finanças em ordem. Isso porque você terá que arcar com novas despesas e não terá como fazer isso com dívidas antigas para pagar.

Uma de suas primeiras ações para conquistar sua independência e morar fora da casa dos pais, é organizar sua vida financeira. Reúna todas suas pendências, calcule quanto elas custam e trace um plano para quitar o total. Não esqueça nada: cartão de crédito, celular, empréstimos e o que mais estiver atrasado deve ser pago antes da grande mudança.

Verifique também se o seu nome está limpo no SPC e no Serasa. Isso é importante pois, se ele estiver sujo, pode te trazer problemas para adquirir futuros créditos ou para alugar um imóvel.

Além disso, evite fazer novas dívidas. É indispensável ter renda disponível. Elimine aquele hábito de consumo em excesso. Pense bem no que vai comprar e verifique se é mesmo necessário.

4. Reúna recursos

Forme sua reserva financeira para pagar suas despesas iniciais da nova vida, que (acredite) serão muitas. Por exemplo, se você alugar um apartamento ou uma casa, você vai precisar do valor do depósito-caução (ou do seguro-fiança).

Além disso, você vai precisar de recursos para mobiliar a nova casa com fogão, geladeira, máquina de lavar, cama, armário, TV, coisas para decoração, entre muitos outros itens de necessidade básica, além da Internet que custa caro.

Não se esqueça de planejar uma renda complementar. Isso vai te ajudar a ter ainda mais recursos. Veja algumas opções:

• Produzir e revisar textos.
• Normatizar trabalhos acadêmicos.
• Cuidar de crianças ou idosos.
• Tratar de animais na ausência dos donos.
• Levar cães para passear.
• Atuar em buffets que contratem pessoal extra para executar tarefas na cozinha, copa e salão.

5. Estime seus gastos futuros

Morar sem os pais representa independência também nos gastos. Moradia – no caso de uma casa alugada – alimentação, despesas variáveis, tudo isso precisa ser considerado na sua vida financeira.

Pergunte aos seus pais e amigos o gasto médio que eles têm. Esse valor pode servir de base na hora de preparar seu próprio orçamento.

As despesas costumam ser as seguintes:

• Despesas fixas: alimentação, faculdade, conta de telefone, luz e outras mensais;
• Despesas variáveis: transporte, roupas, lazer e outras que mudam de acordo com as necessidades de consumo;
• Despesas eventuais: medicamentos, viagens, relacionadas a reparos no novo lar, entre outras.

Enfim, planeje-se! Isso fará com que você alcance seus objetivos de maneira consistente e duradoura.

 

Fontes:
• Obaoba.com.br
• Blog.unimonte.br

 

Deixe uma resposta