Como fazer um refinanciamento de imóvel?

Entenda o que é, quais as vantagens e como fazer a alienação fiduciária para garantir um dinheiro de forma mais rápida e prática para investir no que você precisa no momento.

Refinanciar um imóvel é uma prática que está se tornando popular também no Brasil. Lá fora, em especial nos EUA, já é bem comum hipotecar a casa em busca de um valor para fazer algum tipo de investimento.

A prática, também conhecida como home equity ou alienação fiduciária, representa uma boa opção para quem precisa de dinheiro rápido para fazer investimentos, mas é preciso ter um imóvel próprio, quitado e registrado em seu nome.

O, refinanciamento imobiliário é justamente essa modalidade de empréstimo que permite que você utilize o seu imóvel para conseguir dinheiro. E se você tem um imóvel próprio, seja residencial ou comercial, e precisa de um empréstimo para investir nos seus planos, dá pra tentar uma alienação fiduciária.

Hoje, vamos mostrar detalhes sobre essa prática, as vantagens e como conseguir um refinanciamento.

Como ele funciona na prática?

Ao Refinanciar o seu imóvel, você estará oferecendo ele como garantia de pagamento à uma instituição bancária para adquirir um empréstimo que pode variar entre R$ 20.000 até 60% do valor da propriedade.

Isso significa que se o seu imóvel for avaliado em R$ 400.000,00, por exemplo, você pode adquirir um empréstimo de no máximo R$ 240.000,00.

Para dar início ao processo é bastante simples: solicite ao gerente do seu banco um refinanciamento do imóvel, apresente a matrícula atualizada do imóvel que servirá de garantia, junto dos seus documentos simples (CNH, por exemplo).

Depois de fazer isso, o imóvel será avaliado pelo corretor apontado pelo banco e, se aprovado, irá estipular um valor e o proprietário poderá então solicitar a quantia do empréstimo desejado.

Lembrando que é o corretor de imóveis selecionado pelo banco que fará a avaliação do valor do imóvel. Não adianta chegar na instituição bancária com uma avaliação já feita.

Mais quais as vantagens de refinanciar meu imóvel?

Quando você dá seu imóvel como garantia em um contrato de empréstimo, o banco te classifica como uma carteira de baixo risco, pois ele tem mais certeza de que você é confiável em termos financeiros.

Com essa garantia, ele pode conceder prazos de pagamento maiores das parcelas, além de condições mais facilitadas no que se refere às formas de parcelamento e pagamento da dívida.

Condições como taxas de juros muito menores, que atingem em média 3% ao mês (valores mais em conta do que no caso do rotativo do cartão de crédito, cheque especial e de empréstimos pessoais ou consignados), adicionado da correção monetária, ou um prazo máximo de pagamento mais extenso, de até 20 anos (ou seja, 240 parcelas mensais).

Outra vantagem bastante importante e que dá base para realizar um refinanciamento imobiliário é que poucos empréstimos bancários oferecem volumes financeiros tão grandes quanto neste modelo. O valor oferecido é baseado no valor do bem como dissemos acima, então é bem comum que ultrapasse os R$ 50 mil.

Por serem valores muito grandes, alguns podem achar que haverá algum tipo de taxação, tal qual quando se vende um imóvel e é necessário utilizar o dinheiro na compra de outro imóvel a fim de evitar cobrança de impostos. No entanto, no caso dessa prática, você fica totalmente livre para investir do jeito que for mais conveniente e atraente para a sua saúde financeira. Basta declarar o valor como refinanciamento imobiliário depois na declaração de IR.

Preciso declarar renda para fazer a alienação fiduciária?

Sim, você precisa comprovar algum tipo de renda, mesmo oferecendo o imóvel próprio como garantia. Isso porque a instituição bancária define e limita o valor da parcela a 30% da renda líquida de quem está pedindo a alienação.

Há também uma facilidade bastante grande nesse tipo de empréstimo com relação às prestações mensais. Elas são decrescentes e descontadas automaticamente de sua conta bancária. Com isso, você também não atrasa nenhuma parcela e evita uma eventual perda do imóvel.

E lembre-se: não dá para pedir alienação fiduciária com nome sujo na praça. Possuir dívidas em atraso registradas no Serasa ou SPC pode prejudicar a liberação do financiamento.

É fácil fazer um empréstimo imobiliário?

Não. Mas é completamente possível para quem já possui:
• 1 imóvel quitado
• Fonte de renda comprovável
• Nome livre de dívidas

Depois, na hora que tiver escolhido a instituição bancária de sua preferência e estudado bem as condições do refinanciamento imobiliário, passará uma análise jurídica e de crédito, bem como do imóvel oferecido.

Após a aprovação da propriedade pelo corretor de imóveis, o banco emite e assina o contrato com você, faz o registro do documento em cartório e a liberação do capital.

Agora que você já descobriu as vantagens e como fazer o refinanciamento de imóvel, avalie com cautela as condições e invista nos seu sonhos. Avalie todas as vantagens, desvantagens, o valor que você realmente necessita para realizar seu sonho, fazer os investimentos que pretende com o dinheiro adquirido e como fará para pagar as parcelas do refinanciamento do seu imóvel, para garantir que você não perca sua propriedade e ainda consiga um bom dinheiro a mais do que já tinha.

Gostou do nosso artigo? Muito interessante né? Veja também no nosso eBook abaixo o que é mais válido para você, comprar ou alugar casa ou apartamento!


 

3 comentários

Deixe uma resposta