IGP-M

Inflação do aluguel: como o IGP-M influencia e como negociar

O Índice Geral de Preços – Mercado o IGP-M é o indicador usado para calcular o reajuste do aluguel. O índice, inclusive, é chamado de “inflação do aluguel”, justamente por ser usados nos contratos de locação no Brasil. O índice de inflação do Brasil é o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor – Amplo), que indiretamente é um dos componentes da conta do IGP-M, através do IPC.

O IGP foi criado pela Fundação Getúlio Vargas no fim da década de 40 para ser utilizado como um índice abrangente do movimento de preços. Ele na verdade é a média aritimética de três índices, com os seguintes pesos:

• Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) – peso 6
• Índice de Preços ao Consumidor (IPC) – peso 3
• Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) – peso 1

O IGP-M tem a metodologia semelhante e também é calculado pela FGV. A diferença é que é calculado entre os dias 21 de um mês e 20 do mês seguinte. Foi criado por solicitação de entidades do setor financeiro na década de 80. À época, para mascarar a inflação, o governo alterava índices de forma arbitrária. Para ter um índice com mais credibilidade e independência, as entidades firmaram este acordo com a fundação. Desde então, o IGP-M é usado para reajustar os contratos, e por isso ficou conhecido como inflação do aluguel.

Como negociar o aluguel

Com a crise econômica causada pela pandemia, a renda de muitas pessoas caiu consideravelmente. Para piorar, a disparada da inflação piora ainda mais as coisas. O IGP-M vem crescendo em 2021 num ritmo muito maior que nos últimos anos, e na virada do ano muitas famílias sentirão ainda mais o peso da inflação do aluguel nos orçamentos.

Desconto

O mais fácil a se fazer é procurar a imobiliária e através dela pedir desconto ao locador. Os proprietários de imóveis mais experientes sabem que é mais interessante deixar de ganhar no reajuste do que eventualmente ter o imóvel vago. Por isso, é preciso convencê-lo de que a renda diminui e que o valor do aluguel passará a ser impossível de ser honrado com um eventual reajuste. Geralmente, o que se faz é aplicar o reajuste ao contrato e conceder o desconto do mesmo tamanho dele ou menor, para evitar defasagens.

Comparação entre aluguéis

Muitas vezes imóveis do mesmo padrão ou até mesmo iguais no mesmo local podem ter valores distintos de aluguel. Obviamente, isso pode depender de fatores como conservação, vista, posicionamento na via, etc. Caso você saiba que existem imóveis – até mesmo vagos – de mesmo padrão e condições com aluguéis mais baratos, pode usar esse fato para convencer o proprietário a repensar o valor cobrado.

Credibilidade do pagador

Não custa nada lembrar ao proprietário que você é um bom pagador e nunca atrasa um pagamento. Com isso, pode sensibilizar o proprietário a não perder um ganho certo e garantido. Como diz o ditado, “é melhor pingar do que secar” e isso pode ser utilizado como argumento de negociação.

Adiantamento de parcelas

Se há um dinheiro guardado rendendo pouco, talvez tentar um desconto por pagamento antecipado possa render mais do que uma aplicação. As imobiliárias podem negociar junto ao proprietário do imóvel descontos por pagamento adiantado. Se essa for uma possibilidade, faças as contas e analise se compensa.

Outros índices de inflação

Apesar de muitas vezes constar em contrato a uso do IGP-M como medida de reajuste, nada impede que o inquilino tente uma negociação para a utilização de um outro índice menos severo como o usado para os reajustes anuais. Converse com o corretor de imóveis e consulte essa possibilidade.

Deixe uma resposta