Guerra na Ucrânia e os impactos no mercado imobiliário

Criança com cartaz nas cores da bandeira da Ucrânia com os dizeres "Stop War in Ukraine"

No dia 23/02/2022 o mundo foi surpreendido com mais uma triste notícia: conflitos na Ucrânia ocasionados pela invasão russa ao país. Praticamente um mês de guerra e sem previsão de um cessar fogo, os países começam a sentir os impactos macroeconômicos dessa realidade.

Com uma economia já fragilizada, previsão inflacionária alta e uma crise de preços, o Brasil entrou no meio do furacão e diversos setores foram afetados. Mas qual a relação da Guerra na Europa com o mercado imobiliário no Brasil?

Guerra na Ucrânia: quais as consequências econômicas?

Qualquer conflito geopolítico afeta a economia global, especialmente quando países exportadores de bens essenciais estão envolvidos. É o caso da Rússia, que tem forte presença como fornecedor de gás e energia para o restante do continente.

Visto toda essa incerteza, investidores começam a aportar seu capital em mercados mais seguros, fugindo de países emergentes. Logo, economias como o Brasil, são diretamente afetados por esse movimento, enfraquecendo ainda mais seu PIB e desvalorizando sua moeda. 

Fora isso, ainda existem outros agravantes, como é o caso dos impactos em 3 itens: Petróleo, Inflação e Agricultura. Entenda mais agora:

1 – Petróleo

A Rússia é um dos maiores produtores do mundo do combustível fóssil. Além disso, fornece até 40% do fás natural para o continente, demonstrando o impacto que tem sobre a Europa e o mundo.

Com as sanções impostas e diversas outras medidas, o preço do petróleo ficou vários dias próximos dos US$ 100. Em alguns momentos, chegou a custar US$ 150, um dos preços mais altos da história.

Depois de segurar o aumento dos preços dos combustíveis por praticamente um mês, a Petrobrás cedeu e aumentou o preço nas refinarias. Com isso, não apenas os combustíveis ficam mais caros, mas também itens essenciais como o óleo de cozinha.

2 – Agricultura

Nosso agronegócio é o sexto maior importador de fertilizantes e adubos da Rússia. Com todas as sanções e bloqueios econômicos sobre o país europeu, essa compra vai ser dificultada.

Como consequência, os fertilizantes ficam mais caros, a capacidade de produção cai e os valores dos alimentos ficarão cada vez mais caros.

3 – Inflação

Por fim, a temida inflação. É importante frisar que inflação alta já é uma preocupação mundial e o Brasil já tinha um índice salgado para esse ano. Nos Estados Unidos, ela já chegou a 8% e aqui no Brasil já extrapolou a marca dos 6,45%, especialmente pós aumento dos combustíveis.

Com inflação mais alta, a tendência é que o banco central eleve a taxa básica de juros, que afeta diretamente diversos setores: como o imobiliário.

E qual a relação de tudo isso com o Mercado Imobiliário?

Com a inflação alta, preços disparando e poder de compra menor, o brasileiro vê que seu dinheiro rende cada vez menos. Logo, todos seus ganhos vão para itens essenciais do dia-a-dia e as chances de gastar com outras áreas, se reduz. Por outro lado, a tendência em investimentos em setores mais seguros aumenta, e é aí que a oportunidade de investir em imóveis é vantajosa.

A tendência é que a procura pela compra de imóveis siga estável, até mesmo pelas recentes medidas do governo em favor do setor. Por conta disso, o mercado imobiliário é afetado, como todos os outros, mas tem alternativas  para remediar as situalções desfavoráveis.

O tamanho desses impactos, extensão e duração só poderão ser medidos com o decorrer das semanas e por quanto tempo esses conflitos na Ucrânia se perdurará. Acompanhe o nosso LinkedIn para se manter atualizado sobre esse e outros assuntos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.